Não há emergência climática

Uma rede global de 700 cientistas e profissionais preparou essa mensagem urgente. A ciência climática deve ser menos política, enquanto as políticas climáticas devem ser mais científicas. Os cientistas devem abordar abertamente as incertezas e exageros em suas previsões do aquecimento global, enquanto os políticos devem contar desapaixonadamente os custos reais e os benefícios imaginados de suas medidas políticas.

Fatores naturais e não antropogênicos causam aquecimento

O arquivo geológico revela que o clima da Terra varia desde que o planeta existe, com fases frias e quentes naturais. A Pequena Idade do Gelo terminou em 1850. Portanto, não é surpresa que agora estamos passando por um período de aquecimento.

O aquecimento é muito mais lento do que o previsto

O mundo aqueceu a menos da metade da taxa prevista pelo IPCC com base em forçamentos antropogênicos modelados e por desequilíbrio radiativo. Diz-nos que estamos longe de entender as mudanças climáticas.

A política climática depende de modelos inadequados

Os modelos climáticos têm muitas deficiências e não são remotamente plausíveis como ferramentas políticas globais. Eles exageram o efeito de gases de efeito estufa, como o CO2. Além disso, eles ignoram o fato de que enriquecer a atmosfera com CO2 é benéfico.

CO2 é alimento vegetal, a base de toda a vida na Terra

O CO2 não é um poluente. É essencial para toda a vida na Terra. A fotossíntese é uma bênção. Mais CO2 é benéfico para a natureza, esverdeando a Terra: CO2 adicional no ar promoveu o crescimento da biomassa global das plantas. Também é bom para a agricultura, aumentando o rendimento das culturas em todo o mundo.

O aquecimento global não aumentou desastres naturais

Não há evidências estatísticas de que o aquecimento global esteja intensificando furacões, inundações, secas e desastres naturais semelhantes, ou tornando-os mais frequentes. No entanto, há ampla evidência de que as medidas de mitigação de CO2 são tão prejudiciais quanto caras.

A política climática deve respeitar as realidades científicas e econômicas

Não há emergência climática. Portanto, não há motivo para pânico e alarme. Opomo-nos fortemente à política nociva e irrealista de CO2 líquido-zero proposta para 2050. Se surgirem melhores abordagens, e certamente surgirão, teremos tempo suficiente para refletir e se adaptar. O objetivo da política global deve ser a ‘prosperidade para todos’, fornecendo energia confiável e acessível o tempo todo. Em uma sociedade próspera, homens e mulheres são bem-educados, a taxa de natalidade é baixa e as pessoas se preocupam com o meio ambiente.

Firmantes

1. Demétrio Carlos Alves, Chemical Engineer, specialized in Processes and Systems. Postgraduate in Legal Issues of Urban Planning, University of Lisbon.
2. Rui Cruz, Pharmaceutical Development Scientist. PhD In Chemical and Biological Engineering (Material Science Focus for Solar Energy Applications)
3. Pamela Matlack-Klein, Member of Portuguese Sea Level Project, USA